Basta um dia

Quiser eu que meu dia fosse apenas um eterno glissado progressivo. Que uma miséria cretina pudesse se transfigurar em algo prosaico e banal. E que esse algo prosaico e banal virasse um grande lance do destino.

Mas cá aqui dentro tudo pula. De flores lindas e coloridas contrastando com o verde das folhas no alto galho das árvores às folhas amarelas e secas craquelando no chão. Pula como se pulasse uma estação do ano em um mundo interno aquecido globalmente.

As desgraçadas euforias bipolares fazem com que meus dias sejam cada vez mais incompreensíveis. Em meu pequeno ritual noturno de deitar na cama e meditar a pequena oração “Hoje meu dia foi…”,  já não mais consigo responder a essa questão. A não ser por generalidades particulares tais como: confusos, estranhos.

De oitava em oitava, os mis, os fás e os sis dos meus atos corriqueiros fazem saltar meu temperamento. Agudizam minhas palavras enquanto que no compasso seguinte, agrava-se meu pesar.

Apesar da minha trilha sonora diária ser como um réquiem a me torturar, não quero que a música pare. Quero aprender o ritmo. Quero que a melodia me incendeie sem deixar bolhas. Ou que ao menos eu consiga marcar no pé todo o veneno de um pequeno dia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s