brasilianismos

coisas que só dão certo no Brasil:

– técnicas de RPG (Reeducação da Postura Global);

– doutrinas positivistas (porque já que é pra ser conservador, estampa logo na bandeira);

– ensinamentos de Alan Kardec (de tão incorporado, serviu de base até pra outras religiões aqui);

– a obra de Mészáros (a crise é estrutural só no Brasil, no resto do mundo ela continua cíclica).

Enfim

usei minha camisa do são paulo. marquei uma ressonância do joelho. respondi e-mails atrasados. questionei a vida. chequei a conta bancária. cortei as unhas da cachorra. dobrei as roupas lavadas. entrei em contato com aquela professora. fiz aquela piada entalada. comprei filtro para café. liguei para aquela amiga distante. atualizei as músicas do meu pen drive. lavei a louça. corrigi as provas. arrumei a estante de livros. comecei a ler aquele livro que tanto queria. desabafei com ela. fechei o bimestre.

My girl, my girl, my girl

É quando a dança dissipa. Todos os males, mazelas e incertezas. É quando o passo certo parece ser o único possível e necessário. É quando, por mais mais que o mundo gire com os olhos abertos, se fechá-los o que sobra é o corpo e o corpo. É quando o abraço forte desfaz a armadilha e recheia de esperanças o hiato dos olhares. É quando o dia amanhece e a volta pra casa deixa uma trilha de carinho e afeição. É quando se percebe que as atividades mecânicas e repetitivas ativam o lado criativo do cérebro, assim como a dança ativa os sensores emotivos e amorosos do corpo inteiro.

Engels e a ironia da monogamia

“E se a estrita monogamia é o ápice de toda virtude, então quem merece a palma é a tênia solitária que, em cada um de seus cinquenta a duzentos anéis, possui um aparelho sexual masculino e feminino completo, e passa a vida inteira copulando consigo mesma em cada um desses anéis.”

(ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade privada e do estado. São Paulo: Escala, sem ano, p.43)