peste

diálogo sob o sol entre p., 9 anos e m., 5 anos:

m.: – duvido que você vai lá e pega uma acerola pra comer.

p.: – eu não. não tô com vontade de acerola.

m.: – mas come. é gostosa.

p.: – você tá me enganando.

m.: errrr… não tô, não. outro dia comi com o papai.

p. vai e come.

era pimenta.

petrópolis

me senti como se estivesse jogando cityville. obviamente, colocaria o nome da cidade de verópolis. a catedral ia se chamar santa helena. todos os estabelecimentos fariam homenagem a mim: padaria vera II, hotel verópolis e afins. em todos os lugares estaria gravada a minha insígnia: V-II. claro que haveriam pequenas referências à minha mãe, vera I, mas poucas, afinal aquela seria a MINHA cidade de veraneio.

ainda bem que proclamaram a república.

ainda bem que tivemos só dois imperadores.

a realeza tem um ego que não cabe em si.

here, there, anywhere.

vizinhos

Em algum lugar do Rio de Janeiro:

– Nossa, tá ouvindo?
– Não. O que é?
– Põe a tv no mudo.
[…]
– Caraca! Elas estão brigando!
– Pois é, a coisa tá feia mesmo…
– Ih, uma tá correndo atrás da outra!
– Nossa, que será que aconteceu?
– Acho que uma roubou a outra…
– Credo, que gente barraqueira!
– Engraçado, elas estão putas mas não falam palavrão, né?
– Acho que ela tá com ciúmes…
– Elas estão meio repetitivas…
– Gente, como elas falam alto!
– Cariocas… Tsc tsc…
– Imagina se for um ensaio de uma peça de teatro?
.
E era.

366 dias com ela

A primeira vez que vi sua blusa de elefante
A primeira vez que você carregava uma janela.
A primeira vez que ouvi você falar sobre sereias.
A primeira vez que você me viu fingir tocar violão.
A primeira vez que vi você falando por cima dos óculos.
A primeira vez que pensei que não queria fazer outra coisa a não ser te ouvir falar.
A primeira vez que pedi pra você ficar e me esperar.
A primeira vez que fechava o olho e pensava em desfazer cada frase chata minha.
A primeira mensagem virtual.
A primeira vez que me peguei rindo sozinha.
A primeira vez que eu fiz um desenho pra você.
A primeira vez que você fez um desenho pra mim.
A primeira vez que escrevi algo pra você.
A primeira vez que me percebi viciada em você.
A primeira vez que disse que precisava te ver.
A primeira vez que dormi com saudade do que eu ainda não tinha.
A primeira vez que vi você de azul marinho.
A primeira vez que tocou a minha mão para desenhar uma borboleta.
A primeira vez que olhei nos seus olhos e disse que estava tudo bem.
A primeira vez que quis ver você cinco minutos depois de te ver partir.
A primeira vez que me enganchei na escada de caracol.
A primeira vez que vi seu abajur de dado.
A primeira vez que vi sua coleção de girafas.
A primeira vez que vi suas casinhas empoleiradas.
A primeira vez que reconheci o cheiro do seu sabonete fora da sua casa.
A primeira vez que eu percebi que a sua ausência era a única coisa que eu não queria mais sentir.