vicious

Vicious, you hit me with a flower
You do it every hour
Oh, baby you’re so vicious
Vicious, you want me to hit you with a stick
But all I’ve got is a guitar pick
Oh baby, you’re so vicious

When I watch you come, baby, I just want to run far away
You’re not the kind of person around I want to stay
When I see you walking down the street
I step on your hands and I mangle your feet
You’re not the kind of person that I want to meet
Baby, oh you’re so vicious, you’re so vicious

Vicious, you hit me with a flower
You do it every hour
Oh, baby you’re so vicious
Vicious, hey why don’t you swallow razor blades
You must think that I’m some kind of gay blade
But baby, you’re so vicious

When I see you coming I just have to run
You’re not good and you certainly aren’t very much fun
When I see you walking down the street
I step on your hand and I mangle your feet
You’re not the kind of person that I’d even want to meet
‘Cause you’re so vicious, baby, you’re so vicious
Vicious, vicious

(Lou Reed)

halloween

o dia era 31 de outubro. a cidade era san francisco. halloween na terra do tio san: esse pequeno carnaval mórbido que aquece os corações outonais nas gringa. eu tinha ido lá a trabalho – apesar de já ter andado de bondinho e cruzado a haight-ashbury. fato é que eu não estava no clima macabro-lúdico da noite. saí do hostel e, tropeçando em múmias e mortícias, cheguei até uma pizzaria comum, dessas que você fica no balcão de frente pra rua. sentei ao lado de uma família que ria e esbanjava purpurina e peruca colorida. quando dei a primeira mordida naquela pizza grande e barata, notei que tinham três pessoas na calçada. de relance percebi alguma coisa diferente na vestimenta delas. a palavra fantasia foi imediatamente substituída pela palavra trapo. eram mendigos. se disfarçavam entre frankensteins fictícios enquanto pediam dinheiro aos cegos transeuntes diante dos olhos dos pobres. queria cutucar a família purpurina ao meu lado e perguntar se eles não se importavam com aquela família de olhos. mas só vi pratos maiores que a fome e copos maiores que a sede. foi o dia em que eu, baudelerianamente, comi aquela pizza grande e indigesta vendo um desfile estático de pessoas vestidas de vida real.